Esclarecimento
Medicamentos
Teorias
Composição
Mamacadela
Recomendações
Pesquisas
O sol
Fotos
Vitiligo & Plantas
Loja virtual
Mamacadela
A mama-cadela (Brosimum gaudichaudii Tréc.) é uma espécie da família Moraceae, nativado Cerrado, com ampla dispersão neste bioma, sendo encontrada nos estados do Amazonas, Pará,Maranhão, Ceará, Bahia, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais,São Paulo e Paraná. Floresce nos meses de junho a outubro; apresenta frutos maduros nos meses de setembro a novembro (Silva et al., 1994). A mama-cadela é conhecida, popularmente, como algodãozinho, amoreira do mato, fruta de cera, inharé ou bureré. Alguns medicamentos ou porque não dizer vários que são indicados para vitiligo são produzidos a partir desta planta, entre eles um muito comum encontrado nas farmácias tradicionais, o Viticromin. Os frutos são comestíveis possuindo consistência semelhante a uma goma de mascar; a planta apresenta potencial como fruteira nativa, apesar de ser pouco apreciada.Segundo Conceição (1980) é utilizada popularmente para tratamentos de manchas na pele, tanto externamente na forma de extratos e pomadas, quanto internamente na forma de chás e garrafadas. Barros (1982) relata a indicação do uso da mama-cadela para desintoxicação e como depurativa do sangue.
 
 Aspectos ecológicos justificam a necessidade de maior conhecimento científico sobre a mama-cadela. Por se tratar de uma planta nativa do Cerrado, não domesticada, o uso comercial é feito pelo extrativismo na natureza, o que pode levar à extinção desta espécie vegetal. O desconhecimento científico sobre a propagação de espécies do Cerrado é uma realidade e se constitui num obstáculo ao aproveitamento de uma flora rica em plantas de interesse econômico (Machado et al., 1986). No caso da mama-cadela, este desconhecimento torna-se mais preocupante pelo fato de existir poucos estudos de propagação e conservação da espécie e finalmente por ser uma espécie ameaçada de extinção pelo extrativismo descontrolado.  Diante destas dificuldades, a cultura de tecidos vegetais constitui-se em uma alternativa adequada para a propagação de plantas de mama-cadela e para viabilizar a produção de compostos in vitro
 
A cultura de tecidos vegetais consiste no cultivo de células, tecidos ou órgãos vegetais, em condições assépticas, utilizando-se meios de cultura enriquecidos com nutrientes minerais e orgânicos, suplementados com reguladores de crescimento (Sharp & Larsen, 1979) Uma aplicação da cultura de tecidos é a manutenção e estocagem de germoplasma (Wang et al., 1988) importante para espécies nativas submetidas ao extrativismo descontrolado, como a mama-cadela, onde a conservação in vitro de diferentes genótipos minimiza a perda da variabilidade genética da espécie.
Entre as aplicações da cultura de tecidos vegetais, a micropropagação é a técnica de maior impacto e de resultados mais concretos (Grattapaglia & Machado, 1990). A micropropagação é um sistema de propagação vegetativa in vitro no qual, sob condições ambientais controladas, cultiva-se geralmente ápices caulinares e gemas axilares para obtenção de indivíduos selecionados geneticamente idênticos ao original.
 
A micropropagação é uma ferramenta importante para a produção de compostos secundários vegetais, pois permite a produção de uma grande quantidade de plantas ou partes de plantas que contenham os compostos de interesse farmacêutico, num período de tempo menor que a propagação tradicional, em qualquer época do ano. Permite, também, desenvolver protocolos visando a maximização dos teores de compostos secundários através da aplicação de tratamentos com reguladores de crescimento e sais minerais contidos no meio de cultura, a qual a planta está sendo cultivada.
Segundo Hartmann et al. (1990) a propagação de plantas in vitro é constituída de quatro fases: estabelecimento dos explantes em ambiente asséptico; multiplicação dos explantes; enraizamento das brotações e aclimatação de plantas Como fonte de explantes pode-se coletar ramos sadios de matrizes no campo, ou utilizar plântulas provenientes de sementes germinadas in vitro. A utilização de plântulas oriundas de sementes tem a vantagem de permitir um maior controle sobre a assepsia do explante, em comparação a explantes obtidos no campo. A fase de estabelecimento dos explantes tem como objetivo a obtenção de uma cultura isenta de patógenos.  A fase de multiplicação visa estimular a produção do maior número possível de brotações. Para isso são utilizados reguladores de crescimento, geralmente auxinas, citocininas e giberelinas. Para o estímulo à formação de raízes, as brotações são transferidas para um meio de cultura específico de enraizamento, suplementado com reguladores de crescimento, geralmente auxinas como o ácido indolbutírico (IBA) e ácido naftalenoacético (ANA). Finalmente a última fase, a aclimatação, consiste na adaptação da planta a um novo ambiente, onde não mais terá os nutrientes prontamente disponíveis do meio de cultura, iniciando-se assim a fase de autotrofia (Grattapaglia & Machado, 1990).
 
 Para o estabelecimento in vitro da mama-cadela, é necessário o desenvolvimento de um protocolo específico de micropropação. Martins (1998), iniciou o desenvolvimento de um protocolo para este vegetal, entretanto afirma que o protocolo não foi totalmente estabelecido, sendo necessários alguns ajustes para estar completamente definido. Após a micropropagação é necessária a produção de raízes para se iniciar os estudos específicos relacionados à quantificação dos princípios ativos e demais etapas necessárias que virão posteriormente para se viabilizar a produção de um medicamento fitoterápico. Conforme Toledo et all. (2003), o desenvolvimento de um fitoterápico inclui várias etapas e envolve um processo interdisciplinar, multidisciplinar e interinstitucional. As áreas de conhecimento envolvidas vão desde a antropologia, botânica, agronomia, ecologia, química, fitoquímica, farmacologia, toxicologia, biotecnologia, química orgânica até a tecnologia farmacêutica. Sendo assim, em um ambiente universitário, torna-se necessário a união de vários profissionais, professores e acadêmicos para se atingir um objetivo comum em benefício de toda a sociedade.
 
Para mais informações detalhadas sobre a Mamacadela, que é hoje a planta mais importante no meio científico utilizada contra o vitiligo <clique aqui>.